Como conquistar o Primeiro Emprego

Senado aprova lei de incentivo ao primeiro emprego

Projeto prevê redução de tributos no primeiro ano de contratação

Publicado em 25/05/2021 – 21:57 Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil – Brasília

O Senado aprovou hoje (25) um projeto de lei (PL) que incentiva as empresas na contratação de jovens de 16 a 29 anos sem experiência no mercado de trabalho. O projeto prevê, a título de incentivo às empresas, a redução do INSS patronal de 20% para até 1%, e da alíquota do FGTS de 8% para 1% no primeiro ano de contratação. O projeto segue para a Câmara.

Para o autor do projeto, senador Irajá (PSD-TO), a regra vem tratar os desiguais de forma diferente. “[Esses jovens] não possuem experiência profissional e exatamente por essa razão que as oportunidades minguam. E o papel do estado brasileiro é conduzir os desiguais a um tratamento especial que estimule o mercado de trabalho a dar oportunidade para esses jovens”, disse Irajá. “A empresa tem como contrapartida nesse primeiro ano de emprego capacitar e qualificar o jovem e isso requer investimento, é importante que isso fique claro. É apenas um ano em que o jovem poderá ser contemplado por uma série de esforços de empresas, do governo e dele próprio”.

A ideia do projeto é submeter os jovens e as empresas a um contrato mais simplificado, menos oneroso para a empresa, e que garanta uma remuneração ao jovem e, uma experiência de trabalho. Os jovens contemplados pelo projeto devem estar matriculados em cursos superior ou profissionalizante.

Mas o relator, Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) incluiu no projeto as pessoas que não estão nem trabalhando, nem estudando, a chamada “geração nem-nem”. “Trata-se de grupo que deve estar na base de toda atuação do Poder público, dadas suas características difíceis e do desamparo social que o acompanham”, disse o relator.

Os contratos previstos no projeto só poderão ser firmados em até 5 anos após a publicação da lei, caso seja aprovada também na Câmara. O projeto, que se chamava “Lei do Primeiro Emprego” mudou de nome. Agora, se chama “Lei Bruno Covas”, em homenagem ao prefeito de São Paulo, falecido em 16 de maio vítima de câncer.

Edição: Aline Leal

Mulheres na construção civil mudam cultura do canteiro de obras, diz engenheira

Publicado em 13/04/2015 – 17:11 Por Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

Primeiro emprego
O Projeto Mão na Massa abre inscrições para mulheres de baixa renda que queiram fazer cursos gratuitos na área da construção civil

O projeto Mão na Massa abriu hoje (13) inscrições para mulheres que queiram fazer cursos gratuitos na área da construção civil no Rio de Janeiro. São 140 vagas para cursos de pedreira, encanadora, pintora e eletricista. As aulas começam no dia 27. Primeiro Emprego

Haverá duas turmas nos períodos da manhã e tarde, durante seis meses. Nos últimos sete anos, quase mil mulheres foram capacitadas no projeto. As aulas de qualificação social são dadas no Abrigo Maria Imaculada, no Rocha, zona norte da cidade. As inscrições vão até o dia 15. Primeiro Emprego

O Projeto Mão na Massa abre inscrições para mulheres de baixa renda que queiram fazer cursos gratuitos na área da construção civil
O Projeto Mão na Massa inscreve até dia 27 mulheres de baixa renda que queiram fazer cursos gratuitos na área  da  construção  civil  Tânia Rêgo/Agência Brasil

Primeiro Emprego

A idealizadora do projeto, a engenheira civil Deise Gravina, disse que mais de 60% das mulheres formadas pelo Mão na Massa estão empregadas no mercado formal. Entre as mudanças promovidas pela presença feminina no canteiro de obras, a engenheira destacou a economia por serem mais econômicas, mais organizadas e também mais atentas em relação ao uso de equipamentos de segurança do trabalho.

Receita Fácil

“Elas conseguem mudar a cultura do canteiro porque os homens tendem a se comportar melhor, a ter atitudes melhores. Como elas entram como técnicas, muitos homens voltaram a estudar. Há um aumento da escolaridade, melhoria da postura.” Segundo Deise, não existe preconceito dos homens quanto à participação de mulheres nas obras.

Pesquisa feita pelos organizadores do projeto com 216 mulheres da Comunidade Rato Molhado, no Engenho Novo, zona norte da capital fluminense, mostrou que quase 80% das entrevistadas consideraram que a construção civil seria uma opção de aprendizagem, pois já faziam pequenos serviços.

Deise explicou que, nas comunidades, os homens estão acostumados a ver mães, irmãs e mulheres fazendo serviços para ajudá-los a erguer, por exemplo, um quarto na casa. “Sempre foi a mulher que fez esse papel de servente de obra em pequenos consertos, pinturas, batendo uma laje.”

Para se inscrever no projeto, as candidatas de baixa renda devem ter entre 18 e 45 anos e ter, pelo menos, o 5º ano do ensino fundamental e passar por entrevistas no momento da inscrição. Nos dois primeiros meses, elas recebem aulas teóricas de cidadania, português e matemática voltados para a construção civil, postura, ginástica laboral, nutrição, direitos e segurança do trabalho, além de informações sobre a Lei Maria da Penha.

Na segunda fase do curso, elas têm aulas práticas no canteiro de obras no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) ou na Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), quando têm contato com a obra em si. Na última fase, de estágio, elas vão fazer obras de verdade em entidades beneficentes, “para devolver para a sociedade o que a sociedade investiu nelas”. Nesta etapa, elas são acompanhadas por engenheiros, arquitetos e técnicos de edificações que dão os últimos toques para que elas estejam prontas para o mercado.

Segundo Deise, hoje há mulheres que, após deixarem o projeto, têm salário de R$ 3 mil e algumas são encarregadas de obras. Ela diz que o projeto é um cartão de apresentação no mercado, um diferencial.

Ana Carla Silva Braz fez a primeira edição do curso, em 2008. Para ela, a experiência foi muito importante. “O Mão na Massa me abriu as portas, porque eu estava há cinco anos desempregada, mesmo sendo professora. Depois disso, não fiquei mais sem emprego. Até hoje estou trabalhando em obra”. Atualmente, Ana Carla presta serviço em uma empreiteira terceirizada da construtora Odebrecht como bombeira hidráulica.

O Projeto Mão na Massa abre inscrições para mulheres de baixa renda que queiram fazer cursos gratuitos na área da construção civil
Priscila destaca oportunidade de se profissionalizare  se  tornar  pedreira    Tânia  Rêgo/Agência  Brasil

Segundo a profissional, ainda hoje causa espanto no sexo masculino a presença de mulheres nos canteiros de obras. “Tem homem para o qual ainda não caiu a ficha. Eles ficam muito surpresos”. Ela acredita, porém, que, aos poucos, os homens vão se acostumar e o número de mulheres vai ser cada vez maior.

Ana Carla continua estudando. Acabou de fazer o curso de desenho de arquitetura em edificações e faz, no momento, o último módulo de edificações. “O meu objetivo é me aprofundar mais dentro da minha área.”

Ivaneide Barbosa dos Santos qualificou-se como pedreira na última turma do projeto, no ano passado. “Para mim, foi a realização de um sonho. Estou aprendendo cada vez mais”. Ela trabalha na construtora MRV e não tem dúvida de que a mulher está capacitada para a atividade. No primeiro mês de trabalho, Ivaneide foi eleita funcionária padrão. “Dou tudo de mim, do que eu aprendi, e tenho muito mais ainda que aprender. Com certeza, a mulher está aí para arrasar na construção civil”.

O exemplo de Ana Carla e Ivaneide motivou Maria Lucilene Costa de Paula e Priscila Soares Pereira Agra. Elas estão entre as centenas de mulheres que se inscreveram hoje para participar do projeto. Lucilene disse ter experiência em obra, por necessidade. Ela construiu a casa da filha e está agora buscando aprimoramento e investir mais em sua capacidade, com o objetivo de construir a casa da mãe e reformar a dela.

Lucilene está desempregada e quer ter uma nova profissão. Tem curso de hotelaria e, enquanto aguarda contratação, vende roupas. Priscila vê o projeto como uma oportunidade de se profissionalizar e voltar aos estudos, que não concluiu. Atualmente, é dona de casa. Caso seja aprovada para fazer o curso, pretende ser pedreira. “Quem tiver força de vontade, consegue. Tem que querer, ter confiança no que a gente faz e tem que ter segurança também, que é muito importante”.
Fonte: Projeto Mão na Massa abre vagas para mulheres em cursos da construção civil

Edição: Fábio Massalli

Aprenda Uma Nova Profissão, Clique aqui e saiba mais:

Baixe seu E-book Grátis

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: